RSS Feed

O Universo das Plantas

O Reino Vegetal surgiu há milhares de anos a partir das algas. Se desenvolveu e se especializou em mecanismos sofisticados de sobrevivência.

As substâncias produzidas pelas plantas com ações farmacológicas, se originam principalmente por mecanismos de proteção, autocura e reprodução! Elas se utilizam de uma certa consciência para se alimentar, se proteger de predadores e parasitas, agressores como o sol e a neve, são fundamentais no equilíbrio do meio e ainda nos proporcionam a cura!

No documentário O “Universo das Plantas”, da série “Natureza Vida Selvagem”, produzido pela National Geographic, você poderá conhecer um pouco mais deste maravilhoso mundo e suas peculiaridades.

Faça uma boa viagem ao Reino dos Vegetais!!!

NAMASTÊ ॐ

Marcela Machado

I CONGRESSO INTERNACIONAL DE AROMATOLOGIA

No final de semana passado, dias 04 e 05 de agosto de 2012, aconteceu no auditório da UFMG em Belo Horizonte, o I Congresso Internacional de Aromatologia (CIA). O CIA teve como objetivo contribuir para o desenvolvimento da cadeia produtiva dos óleos essenciais e pesquisa no âmbito nacional e internacional. Um movimento importante no que diz respeito ao estudo e uso dos óleos aromáticos.

O Congresso contou com a presença de autoridades no assunto como O Dr. Daniel Pénoël, médico francês com mais de 30 anos de experiência em Medicina Aromática Integrada, fundador da École Pénoël e autor de diversos livros de aromaterapia. A partir de sua experiência intensiva com o uso de óleos essenciais, o Dr. Pénoël propõe um novo paradigma médico que representa um modelo mais abrangente batizado por ele de Aromaterapia Quântica®.  Abaixo estou em uma foto com o Dr. Pénoël e sua esposa Rose-Marie Pénoël (à esquerda).

O evento foi muito rico, trazendo excelentes informações por meio de figuras importantes na pesquisa e desenvolvimento de produtos relacionados aos óleos aromáticos. Além do Dr. Pénoël, estavam presentes:

  • Sonia Corazza, engenheira química especializada em cosmetologia que atua há mais de 30 anos na área, nos departamentos de pesquisa e desenvolvimento de produtos. Atuou em empresas líderes do setor, dentro e fora do país, como Natura, Avon, Boticário e IFF, é ainda autora dos livros Beleza Inteligente, Aromacologia: uma ciência de muitos cheiros e Mais jovem a cada dia.
  • Prof. Dr. José Guilherme Maia, professor titular da Universidade Federal do Pará e autor de mais de 500 contribuições científicas entre artigos, comunicações e livros. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Química dos Produtos Naturais, atuando principalmente nos seguintes temas: óleos essenciais, aromas, óleos graxos, plantas alimentícias e corantes principalmente da região Amazônica.
  • Stefano Stefani, espagirista e musicoterapeuta, especialista em Astrologia, Egiptologia, Espagiria e Alquimia, co-autor do livro ¨Manuale di Medicina Spagyrica¨, e responsável cultural em território nacional (Itália) pelas informações científicas da linha Alkaest de remédios Espagíricos.

Entre outros nomes como: Carlos Solano, Telma Insuela, Juliana Leal Manica, Eduardo Brasil, Arjun Das e Márcio Bontempo.

As marcas BioEssênciaTisserandTerra Flor,  Laszlo entre outras, também estavam presentes.

Fabian Laszlo, fundador do IBRA (Instituto Brasileiro de Aromatologia) e diretor proprietário da Laszlo Aromaterapia Ltda, foi o responsável pela organização do evento e palestrou sobre o efeito antioxidante e antienvelhecimento dos óleos essenciais como fonte da juventude. Apresentou um conteúdo aprofundado sobre substâncias presentes nos óleos aromáticos que têm a capacidade de induzir a glutationa principalmente nas células hepáticas, outras em inibir a tirosinase e óleos inibidores da elastase.

Tive a oportunidade de compartilhar o trabalho “Óleo de cipreste (Cupressus sempervirens): um estudo de caso no tratamento da acne” realizado pelas alunas Fabíola de Souza e Liz Sucupira, sob a minha orientação em 2011, na conclusão do Curso de Tecnologia em Cosmetologia e Estética da UNIVALI – Universidade do Vale do Itajaí. A pesquisa contou com o apoio da Laszlo no fornecimento do óleo utilizado com sua respectiva identificação química.

O evento criou uma esfera olfativa diferente a cada momento. Lavandas, Mentas, Bergamotas e Alecrins pairaram nos ares do Auditório da Reitoria da UFMG e sete Girassóis iluminados olharam por nós a todo instante, representando os Sete Princípios da Aromaterapia Quântica®.

Todos que estavam presente puderam vivenciar a aromaterapia de uma forma intensa e integral, foi um final de semana profundo de cura!

O encerramento contou com o show da Udhiyana Bandha, composta por Thomas Edward Brokaw (à esquerda, instrumentista de cordas, que tocou belamente sua sítar, ou cítara, e que dedica seu trabalho musical para propagar a consciência ecológica e paz mundial) e Marcelo Bernardes (à direita, clarinetista e flautista, já tocou com Chico Buarque, Nana Cayimi, Djavan entre outros grandes artistas brasileiros) entre outros integrantes.

Poder estar em um ambiente envolto por este tema aromático e curador foi uma experiência que muito contribuiu para a discussão e conhecimento sobre o assunto. As diversas linhas de abordagem terapêutica da Aromaterapia em um só espaço permitiu grandes trocas e marcou um momento importante. O evento está de parabéns!

Já estamos aguardando o próximo!!

Abraços aromáticos,

Marcela Machado

CHLORELLA: o super alimento!!!

A Chlorella é uma alga comestível de grande valor nutricional, usada em diversas situações como fadiga, estresse, desintoxicação do fígado, úlceras, melhora do sistema imunológico, dificuldade de concentração e memorização, anemia entre outras.

O nome Chlorella provém do grego chloros: verde; e do sufixo diminutivo latino ella: “pequeno”, ela mede de 2 a 10 μm de diâmetro, é aproximadamente do tamanho de uma hemácia humana, e contém pigmentos verdes fotossintetizadores conhecidos como clorofila, e por isso conseguem converter elementos químicos inorgânicos em matéria orgânica.

Ao contrário do que muitos pensam, a Chlorella não é originária do Oriente, ela cresce de forma natural na Holanda desde o século II a.C e foi pesquisada por muitos anos como não alimento até 1940, quando o Carnegie Institute interessou-se por ela. Mas foram os japoneses que reconheceram seu valor e receberam a Chlorella “bruta” que foi então polida, melhorada, tornando-a digerível e um grande potencial nutricional e terapêutico.

O Japão iniciou os experimentos com Chlorella em 1951 com o Dr. Hiroshi Tamiya, do Instituto Biológico de Tokugawa. Suas pesquisas foram patrocinadas pela Fundação Rockfeller e pelo Governo Japonês. O Japão é pioneiro no desenvolvimento da tecnologia do cultivo, colheita e processamento da Chlorella em escala comercial, por isso acabaram levando a fama. Quando o potencial da Chlorella foi reconhecido, Alemanha, ex-URSS, Israel, China e Inglaterra juntos com o Japão e EUA ocuparam-se das pesquisas científicas. Os programas espaciais dos EUA e ex-URSS têm pesquisado o potencial da Chlorella como “alimento espacial”.

No Japão, produtos com algas existem há muito tempo no mercado. Encontramos Chlorella frequentemente misturada no chá, sopa, leite, sucos de frutas, talharim, iogurte, entre outros alimentos.

Possivelmente, um dos maiores benefícios da Chlorella é a sua capacidade de balancear a bioquímica do sangue.

A Chlorella é fonte de uma enorme variedade de vitaminas, minerais, aminoácidos, assim como a mais alta fonte conhecida de clorofila. Porém o maior valor que reside na Chlorella é uma fascinante substância chamada FATOR DE CRESCIMENTO CHLORELLA. O CGF é um complexo nucleotídeo peptídeo, descoberto por um cientista japonês o Dr. Michionori Kimura, que permite a Chlorella crescer muito rapidamente durante uma intensa fotossíntese: a cada 20h cada célula se multiplica em 4 novas células.

O CGF parece a aumentar as funções RNA/DNA, responsáveis pela produção de proteínas, enzimas e energia à nível celular, estimulando a reparação dos tecidos e protegendo as células contra substâncias tóxicas.

O Dr. Kimura, encontrou níveis de 10% de RNA e de 3% de DNA na Chlorella, que faz dela o maior alimento conhecido em ácidos nucléicos. Usada regularmente a Chrorella ajuda a reparar o material genético danificado nas células, protegendo a saúde.

Na digestão e assimilação, os ácidos nucleícos (DNA e RNA) são quebrados e combinados com outros nutrientes como vitaminas B12, peptídeos e polisacarídeos. Isto significa que o DNA e RNA da chlorella não repõem de forma direta o DNA e RNA das células humanas, mas sim sua combinação de aminoácidos depois da digestão, fornece imediatamente “blocos de construção” para reparos do material genético.

A composição da Chlorella consiste em torno de 50% de proteínas como glutamina, alanina, serina, glicina, prolina, asparagina, mas também é rica em elementos como fósforo, potássio, maganês, cálcio, ferro, zinco e vitaminas do complexo B, principalmente a B12, vitamina C e E, entre outras substâncias em menor quantidade.

Um estudo realizado no Saiseikai Nara Hospital, no Japão, em mulheres grávidas com suplementação de 6g de Chlorella ao dia,  reduziram significativamente o risco de anemia, proteinúria, edema e sinais de hipertensão associados à gravidez.

Em um outro estudo duplo-cego realizado por Lee S. H. e colaboradores, com 52 fumantes, foi feita a suplementação com 6,3g de Chlorella por dia durante 6 semanas. O resultado apresentou um aumento plasmático  em 44,4% de vitamina C e 15,7% de alfa-tocoferol, além de melhorar a atividade de enzimas antioxidantes eritrocitárias, o que resultou na conservação do plasma.

Nós estamos expostos a metais pesados, como chumbo, o tempo todo, com a poluição e a fumaça dos cigarros, por exemplo. O principal local de armazenamento do chumbo absorvido pelo ser humano é nos ossos, cerca de 90%, isto pode prejudicar a cognição e o aumentar o risco de problemas cardíacos. A toxicidade deste metal está relacionada ao sistemas nervoso e hematopoiético. Entretanto, podem ocorrer efeitos renais, cardiovasculares e no sistema reprodutor. A Chlorella se mostra um alimento interssante pois, a alta ingestão de cálcio impede a absorção do chumbo, segundo estudos, e esta alga é rica em cálcio o que ajuda prevenir ou tratar determinadas situações. Pesquisa realizada por Queiroz e colaboradores, demonstraram que o tratamento com Chlorella estimula a produção de IFN-γ, IL-1α, TNF-α e das células NK. Além disso, ajuda a manter as concentrações de zinco, o que contribui para evitar queda de cabelo, perda do apetite e dermatite.

Você pode iniciar com uma posologia de 300mg de 3 a 4 vezes ao dia e já perceberá a diferença em uma semana. Vai melhorar a disposição, o sono, a concentração e alguns sintomas relacionados ao estresse!!!

Esta alga tem a capacidade de intumescer em contato com a água, portanto sua ingestão tem uma relevante ação na saciedade. Pode ser utilizada como suplemento alimentar por vegetarianos ou por pessoas com nutrição deficiente, que não comem frutas nem verduras,  ou que fazem o tal do jejum matinal: acordam, não comem nada e só almoçam, ou que passam a tarde sem se alimentar. Claro que a Chlorella  não substitui uma refeição, mas pode auxiliar nos regimes de emagrecimento também, quando tomada 30 minutos antes das principais refeições com bastante água, inibirá o apetite!!

Com relação às dicas práticas, como disse uma paciente minha: “tem gosto de ração de tartaruga”! Nunca comi ração de tartaruga, mas já senti um gosto salino, de mar em algumas situações depois de tomar Chlorella, mas descobri o porquê… então se você sentir muito esse gosto de mar…é porque tomou pouca água e a Chlorella começou a intumescer no lugar errado: esôfago!! Tome água que o gosto de ração de tartaruga desaparecerá e você sentirá os benefícios desta alga sem nenhum desconforto!

A Chlorella é um superalimento! Experimente!

Abraços,

Marcela Machado

REFERÊNCIAS

JENSEN, B. CHLORELLA, JEWEL OF THE FAR EAST: A Food Algae for a Nutritionally-Hungry World. Hardcover: Jensen Publishing, 1992.

NAKANO S.; TAKEKOSHI H.; NAKANO M. Chlorella pyrenoidosa supplementation reduces the risk of anemia, proteinuria and edema in pregnant women. Plant. Foods Hum. Nutr. v. 65. p 25-30. Mar. 2010. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20013055

LEE S. H. et al. Six-week supplementation with Chlorella has favorable impact on antioxidant status in Korean male smokers. Nutrition. v. 25. p 175-183. Agos. 2009. Disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19660910

MOREIRA F. R.; MOREIRA J. C. A cinética do chumbo no organismo humano e sua importância para a saúde. Ciênc. Saúde Coletiva . v. 9. n1. Rio de janeiro. 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232004000100017

QUEIROZ M. L. et al. Chlorella vulgaris restores bone marrow cellularity and cytokine production in lead-exposed mice.  Food Chem. Tox. v. 49. n. 11. p 2934 -41. Jul 2011. disponível em: http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21820028

 

AUTOMASSAGEM: Ferramenta de Autocura

É instintivo levar as mãos a lugares do corpo onde se sente dor. Como em uma dor de estômago, onde você fricciona o abdômen no intuito de aliviar o desconforto ou uma dor de cabeça, que você naturalmente massageia a testa, por exemplo. A massagem surgiu da observação destes atos reflexos e instintivos.

Os primeiros registros sobre a massagem como forma de cura estão nos escritos das civilizações antigas, tais como a egípcia, a chinesa e a indiana. Desde então teve altos e baixos ao longo da história e hoje vem sendo fortalecida pelos estudos científicos que comprovam suas ações terapêuticas. Inúmeras técnicas foram criadas com base nas massagens tradicionais orientais, entre elas a Anma, o Tuiná e a Ayurvedica; e  as ocidentais como a Sueca e Esalen.

Existe um provérbio chinês que diz que “um médico medíocre cura a doença e um bom médico a evita”. Esta perspectiva é fundamental na medicina chinesa, cuja ideia principal é a prevenção e não a cura.

A massagem é uma forma de prevenção da má saúde e da doença. Em geral ela é feita por uma pessoa em outra, porém você também pode fazê-la em si mesmo.

A automassagem é uma técnica simples e eficaz que quase todas as pessoas podem utilizar. Uma ferramenta de autocura que está em nossas mãos e que nos permite prevenir, aliviar e/ou curar desequilíbrios físicos, mentais e emocionais.

Você pode começar experimentando o toque no rosto. O rosto é o reflexo do nosso estado emocional, é através do rosto que nos expressamos ao mundo. Toque seu rosto com suavidade, carinho. Faça uma reverência a si mesmo através do toque. A boca é a expressão da alegria, cantos da boca em declínio expressam tristeza e rancor. Coloque os dedos indicadores nos cantos da boca e sorria para você mesmo, dê um toque de sorriso em seu rosto.

Fazer movimentos em volta dos olhos, além de prevenir o aparecimentos de rugas, traz suavidade e brilho ao olhar. Você pode comprimir levemente o canal lacrimal com os dedos médios e seguir deslizando pelas sobrancelhas dando a volta nos olhos.

A testa é a expressão dos seus pensamentos, faça movimentos circulares com a ponta dos dedos e movimentos deslizantes do centro para as têmporas e/ou das sobrancelhas em direção ao couro cabeludo.

O sentido do tato é amplo, podemos tatear com os olhos, com os cheiros, com as mãos. Tatear é tocar em vários sentidos; quando tateamos nossa testa, que é a expressão dos nossos pensamentos, podemos enviar mensagens de calma e tranquilidade

A cada parte do corpo que tocamos, descobrimos e obtemos um melhor relacionamento com o mundo externo e interno!

Experimente!!

Abraços,

Marcela Machado

REFERÊNCIAS:

BRAUN, Mary Beth; SIMONSON, Stephanie J. Massoterapia.  São Paulo: Manole, 2007.

SHEN, Peijian. Massagem para alívio da dor. São Paulo: Manole, 1999.

ANJOS, Tetrazini M. C. R. dos. Terapia aplicada através dos óleos essenciais. São Paulo: Roka, 2006.

Transmutar em imagens

Para definir a fotografia audiovisual do evento “Embarque em Você”, gostaria de compartilhar o capítulo XIV do TAO TE KING, onde Lao Tzu caracteriza o TAO da seguinte forma (de acordo com a tradução de Richard Wilhelm e abaixo o mesmo capítulo com tradução de outra pessoa que desconheço mas que simpatizei muito):

Agradecimentos especiais ao produtor catarinense Antonio Rossa pelo belo trabalho e registro deste maravilhoso momento!

Olhamos para o Tao e não o vemos:

seu nome é “semente”.

Procuramos por algo que não ouvimos:

seu nome é “sutil”.

Procuramos por algo que não sentimos:

seu nome é “pequeno”.

Essas três coisas são inseparáveis.

Por isso, entrelaçadas, formam o Um.

Seu aspecto superior não é luminoso.

Seu aspecto inferior não é escuro.

Nascendo continuamente,

não se pode nomeá-lo.

Ele retorna ao Não-ser.

A isso dá-se o nome de caos misterioso.

Indo ao seu encontro, não lhe vemos o rosto;

seguindo-o, não lhe vemos as costas

Quando nos apegamos ao caminho antigo

para dominar o ser de hoje,

podemos conhecer o velho princípio.

Isso quer dizer: o fio condutor do Tao

SEGUNDO A OUTRA TRADUÇÃO:

Olhamos para o Tao e não o vemos:

dizemos que não tem cor.

Escutamo-lo e não o ouvimos:

dizemos que é afônico.

Queremos tocá-lo e não o atingimos:

dizemos que é incorpóreo.

Estas três qualidades não podem ser escrutinadas com a ajuda da palavra.

É por isso que as confundimos numa só.

É eterno e não pode ser nomeado.

Está no nosso Não-ser.

Chamamo-lo uma forma sem forma,

uma imagem sem imagem.

Chamamo-lo de vago e indeterminado.

Se estiveres diante dele, não conseguireis ver a sua face;

se estiveres atrás dele, não conseguireis ver as suas costas”

NAMASTE ॐ


Embarque em sua Natureza!

Olá embarcadores!

A vivência “Embarque em sua Natureza” realizada por Marcela Machado, Marcelo Pagliarim e Francisco Becsi, realizada nos dias 21 e 22 de abril de 2012 na RPPN Passarim em Paulo Lopes/SC, teve por objetivo agregar diferentes percepções em um final de semana com imersão nos conhecimentos da Medicina Tradicional Chinesa, prática de Automassagem, Alimentação Vitalizada e prática de Yoga revitalizante em um lugar de natureza abundante.

Os participantes tiveram a oportunidade de entrar em contato com sua natureza íntima se utilizando destes recursos. Como ninguém muda essencialmente uma outra pessoa, o que pode mudar é a consciência ativa e atenta de cada um. É um processo individual e intransferível. Sem a mente reflexiva não há mudança, só repetição.

Esperamos que esta vivência possa ter contribuído para uma auto-observação capaz de gerar as transmutações necessárias.

Agradecemos imensamente a presença de todos nesta primeira edição!

Em breve novidades da Transmutar Vivência!

NAMASTÊ ॐ

Olá pessoal,

Este blog é um canal para mergulhar nas Práticas Integrativas e Complementares por meio de artigos e cursos sobre o universo holístico do ser humano.

Fique atento e mande sugestões!

NAMASTÊ ॐ